sexta-feira, 10 de abril de 2009

LAVA PÉS


“Se eu não lavar os teus pés não terás parte comigo...” Jo 13, 8

Essa frase me doeu nessa quinta santa, sabe?

E o mais maravilhoso é pensar que já a li ou ouvi tantas vezes proclamada, mas como ela se fez nova!!! Como é novo e atualíssimo o Evangelho do Nosso Senhor!!!

A questão é que essa frase me doeu...

Doeu porque eu nunca havia atentado de fato pra ela... E acabamos fazendo isso muito, não é? Ouvindo sem ouvir...

Em todas as vezes que tive contato com esse evangelho me encantei com a imagem maravilhosa do serviço, da humildade, da simplicidade... A exortação do mestre nos impele a termos uma mesma postura: “...se eu que sou o mestre vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros.” (Jo 13-14). E, numa hora ou noutra, acabamos por pensar que é difícil essa postura, que é difícil curvar-se, que é vergonhoso para nossos egos tão excelentes prostrar-nos e ocupar-nos dos pés, do pouco do outro. E estamos certos, é difícl mesmo!!!

Mas essa palavra me doeu, mas não foi por isso; é que, de repente, dei-me conta que não é só esse o grande ensinamento nessa atitude de Jesus – servir – semelhantemente ele nos exorta a também deixar ser servidos: “Se eu não lavar os teus pés não terás parte comigo...”.

Mas ser servido é muito fácil!!! Podemos pensar...

E é se pensarmos rasamente!!! Mas aqui, tomando por base o “lavar os pés”, o “ocupar-se do pó”, não é tão fácil assim...
Quem serve o faz como prestação gratuita de serviço, e nisso já sente-se recompensado e livre, mas quem é servido, por outro lado, tem para com quem o serve uma dívida afetiva, e somos por demais soberbos para ter que dever algo a alguém... E mais:

Ofensa ao ego semelhante ao de curvar-se e cuidar é se deixar ser cuidado, ser amado... Admitir que o pó existe, que há sujeira, e deixar-se ser tocado nela, deixar-se tocar no simples, no “bobo”, nas essências, se faz hoje uma tarefa muito árdua e vergonhosa...

É justamente quando nos tocamos em nossas essenciais, em nosso pó, em nossas necessidades, que passamos a “ter parte” uns com os outros e, consequentemente, com Cristo...

É justamente quando temos que admitir que não somos heróis, que temos necessidades, que precisamos dos outros, que também carecemos ser amados que o ego hoje mais sofre, até mais do que quando precisamos ser quem serve...

Fazendo intertexto com Saint Exupéry, se é o tempo que gastamos uns com os outros que nos faz mutuamente especiais, se é essa a condição para “termos parte” uns com os outros:


SIRVAM-ME AMIGOS E PERMITAM-ME SERVI-LOS!!! POR FAVOR!!!
FAÇAMO-NOS ESPECIAIS POR OCUPARMO-NOS UNS DOS OUTROS, POR GANHARMOS TEMPO JUNTOS... PERMITAMO-NOS OLHAR NOS OLHOS SEM ESSAS MÁSCARAS DE PERFEIÇÃO QUE NOS IMPÕEM NOSSOS EGOS E PERMITAMO-NOS VER EM NOSSA REAL BELEZA!!!
SIRVAM-ME AMIGOS E PERMITAM-ME SERVI-LOS PARA QUE POSSAMOS APRENDER QUE O SERVIÇO MÚTUO, O DE QUEM SERVE E O DE QUEM SE DEIXA SERVIR, NÃO NOS FAZ SERVOS, MAS AMIGOS... (Jo 15,14-15)

Por essa compreensão, hoje foi essa a minha oração:

Aplacai-me, Senhor, a soberba, e ensina-me a ser servido; ensina-me a me deixar ser tocado em minhas essências e a reconhecer-me um ser que necessita, que precisa, de Ti e das pessoas, de todos, em todo lugar... e, por fim, sendo servido, ajuda-me a ser grato... servindo, a ter parte no que cuido... ensina-me a amar e a deixar-me ser amado...
Amém

Um comentário:

Celi disse...

Rennan,
Como é bom aprender com você...
Te amo muitão. Bj.
Deus te abençoe.