domingo, 9 de novembro de 2014

COM QUE ZELO VOCÊ TEM CUIDADO DAS SUAS RELAÇÕES?

Você TEM CUIDADO das suas relações?  Desculpa! Emprego do verbo em continuidade... Melhor perguntar: Você CUIDA das suas relações?
Se a resposta for SIM, parabéns! Mas temo que seja NÃO para a maioria de nós...
Todas as coisas estão postas ao cuidado!
O que não se cuida gasta, perde, estraga, pui, decai... Todas as relações estão postas ao cuidado. Não existe relação unilateral, relação imprescinde ao menos dois em troca e gratuidade.
Que droga! Quando é que a gente vai entender que as relações não se fazem sozinhas? Elas carecem de investimento, dedicação, cuidado, zelo...
Mas, se olharmos com atenção, veremos que somos um bando de imbecis, autocêntricos, vivendo relações egocêntricas, imperialistas e, o pior – CIRCUNSTANCIAIS – ou não perceberam ainda que somos peças dentro de um jogo, ora úteis, ora inúteis, e só?
É cada um no seu posto querendo atenção e zelo quando acham conveniente, e logo mais peças fora do jogo quando as conveniências mudam... Somos apenas um bando de imbecis, tolos, sozinhos, carentes, e burros pra porra!!! Uma geração de loucos solitários construindo com esmero nossos castelos de solidão e perguntando: o que fizemos de errado????
O que fizemos de errado? Achamos que éramos a %$#@& do centro do mundo! Sentados em nossos tronos de ilusões, autoestimando uma droga de existência egoísta... Querendo ser amados, queridos, escutados, acolhidos em nossas fragilidades sem no entanto construir meios pra isso.
Que cuidado você tem dado às suas relações? Ainda não parou pra pensar que acaba, desvanece, entristece, se parte e parte tudo o que não tem zelo, tudo a que não se dedica cuidado?
Sei que já disse antes: “tá com saudades? Ligue! Quer saber notícias? Procure! Quer dar um abraço? Vá ao encontro! Não espere do outro. É você e o seu desejo... tem a ver com você e você mesmo... realize!!!”. É, já disse sim!!!! E não estou voltando atrás não!!! Mas, é muito claro, nessa fala tem clara uma relação sua com seu desejo; você está no comando; você decide como quer agir diante das suas necessidades do outro, se sozinho esperando ou realizando. Tudo bem! Mas isso não é relação!!!!!
 Com que zelo tem cuidado das suas relações? Que investimentos tem feito? Com que atenção tem cuidado das relações que te deram ou darão o cuidado que um dia, inevitavelmente, você vai precisar?
Agora vou dizer: “Quer comtemplar rosas? Regue! Quer um abraço? Estenda os braços! Quer carinho? Acaricie! Quer cuidado? Cuide também e bem! É SIMPLES ASSIM!!!
Estou cansado da avareza sentimental de alguns... Escondem sua solidão em avultadas relações porque não são capazes de cuidar das relações que tem. Vivem relações pontuais e circunstanciais. Egoístas, não conseguem enxergar nada que não suas próprias necessidades... Ah! Vão pra uma %$#@&!!!
Peço humildemente: AFASTEM-SE DE MIM!!!!
Mas não posso deixar de ressaltar o contrário; não posso deixar de sentir uma vontade imensa de sorrir ao lembrar de pessoas lindas em suas relações de troca, interação, cuidado, zelo. Obrigado por me fazerem digno de suas companhias, suas palavras, seu acolhimento. Vocês merecem o melhor da vida!!!
Como? Se os avarentos sentimentais não merecem também o melhor? Claro que não! CARECEM DO MELHOR DA VIDA! O que é bem diferente: MERECER e CARECER.
Se eu mereço ou careço? Não sei ao certo... Sei que, ao menos, tenho a certeza de não esperar de ninguém o que não for capaz de oferecer também. E descobri de mim mesmo que não sou gratuito sempre, que igual todo mundo, também espero zelo e cuidado dos que zelo e cuido e, se em algum momento fiz parecer diferente, estou desfazendo:
A partir de agora, terá parte de mim e parte na minha vida quem for capaz de fazer parte dela também. Como diz a canção: SEMPRE TEM A HORA QUE O CAMELO TEM SEDE. E tenho dito!!!

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

PESSOAS, SEUS JARDINS SECRETOS E SUAS CERCAS ELÉTRICAS

Você já teve contato com pessoas marrentas, caladas, defensivas, autossuficientes, sabendo que era tudo mentira???? Kkkkkkkkkkk... Eu já!
Desconfio sempre de pessoas assim... não uma desconfiança negativa relativa a valores, não! É que aprendi que, quanto mais alto e reforçado o muro e suas cercas elétricas, mais há de valor a ser guardado ali dentro...
De minha parte, sempre fui travesso. Minha mãe nos comprava presentes e guardava no armário dela, eu sempre abria antes, via, fechava de novo, e esperava ela entregar pra poder revelar o delito. Kkkkkkk... Essas pessoas e suas cercas elétricas despertam o menino arteiro em mim. Fico procurando pequenas brechas nos seus muros para poder ver os jardins secretos que escondem, e como adoro seus jardins... Há sempre uma brecha, e se uma brecha há, há em mim estímulo pra procurá-la, e alegria por contemplá-la.
Usei a expressão “os jardins secretos que escondem”, mas me sinto impelido a fazer uma justa correção para “os jardins secretos que PRESERVAM”.
Todos nós nascemos sem muros... eles vão sendo construídos... tijolo a tijolo... porque a vida vai mostrando que algumas coisas em nós precisam ser preservadas... E talvez eu entenda, ou não, não sei!
Tenho comigo que cada um de nós tem um “tesourinho” de quinquilharias muito valiosas dentro. Seria como olhar os bolsos de um menino e, nas suas bolinhas de gude, notas de papel de cigarro, figurinhas e peças de um time de botão, encontrar seu tesouro. Quem pode duvidar ou mensurar o valor daquele tesouro? Dizer pra esse menino que aquilo não vale nada, com toda certeza do mundo, vai fazer ele chorar...
Eu sou esse menino... Acho que todos somos um pouco dele também. Não temos problemas em mostrar grandes feitos, grandes virtudes ou coisas de fato louváveis, porque temos a certeza de que isso será reconhecido. Nosso medo está justamente em mostrar as quinquilharias mega valiosas que guardamos nos bolsos meninos da nossa alma, por um motivo muito simples: medo de precisar chorar por não encontrar pessoas com olhos sensíveis para reconhecer o valor imenso que aquelas coisas, fatos, pessoas, rostos, sonhos, vontades, gestos, têm em si mesmas e pra nós. Eu sei como é, também já chorei por isso...
E mais: em nossos dias, dias da grandeza, do aparente, do visível, da valorização do forte, do audaz, do autossuficiente, a ideia de deixar à mostra nosso pequeno tesouro gera a ideia oposta de nos expormos frágeis, meninos, amantes, aprendizes... Abominamos essa ideia por medo de parecermos fracos e assim abrir espaço pra que alguém venha, não enxergue, e pise nas rosas dos jardins que cultivamos e onde adoramos ver os colibris, ou o pôr-do-sol dourando as folhas, sentados no balanço lá no canto, quando ninguém tá vendo, e podemos ser somente nós mesmos...
Talvez por isso eu entenda as pessoas, seus jardins secretos e suas cercas elétricas... Também já chorei por não terem visto, não terem notado, por terem pisado às flores que plantei e cuidei com tanto carinho e zelo... Respeito suas reservas, seus choques, seus muros altos... Mas é que sou menino de rua, não sei brincar sozinho; prefiro chorar porque pisaram o meu jardim a contemplá-lo dentro, sozinho... Sou menino de rua que pula muros e rouba flores... Tenho braços e pernas cheios de cicatrizes que só dizem do quanto adoro os seus jardins; já dando até choque de tantas descargas que já levei em suas cercas elétricas pra poder ao menos vê-los brincar sozinhos em seus jardins secretos com seus pequenos tesouros de essências...
Se ao chegarem à minha casa, encontrarem os muros derrubados, não é por pouco zelo por ela, é que assumi o risco de ser fraco, frágil, menino, e porque não se pula corda sozinho... E se pisarem nas minhas flores ou rirem dos meus tesouros, espero que saibam e possam correr mais do que eu, porque se eu pegar “couro come”!!! Kkkkkkkkkkkk...


Dedicado ao meu Pequeno e ao Baianinho, com seus muros altos, suas cercas elétricas e seus jardins os quais vivo procurando uma brecha pra contemplar...