sexta-feira, 6 de junho de 2014

CAI NA VIDA DE PARAQUEDAS


Cai na vida de paraquedas...
Perdoem-me os céticos, mas Deus me trouxe a essa jornada com a única e exclusiva missão de ser feliz, e como foi e é exigente o exercício de levar a cabo esse mistério.
Na minha mochila de mantimentos, ao soltar-me nessa vida, colocou uma memória de elefante que me permite guardar tudo, do mais sublime ao mais fútil, e contemplar tudo com gratidão, para não apenas ser feliz, mas também saber-me feliz, e não tenho palavras para explicar mais que isso, mas sei que é assim... Colocou em meio peito dois corações, um senil e um pueril, porque assim, tão criança e tão velho, poderia viver todas as vidas, e as vivi e vivo.
Na mochila de mantimentos colocou também uma malinha de primeiros socorros cheinha de lágrimas, para lavar minh’alma quando dói; trezentos mil passos de dancinhas ridículas que danço quando estou sozinho, junto com a falta de bom senso para que possa rir muito de mim mesmo ao saber-me tão ridículo; notas e tons dissonantes para compor a melodia que embala cada dia; e centenas de milhares de sorrisos para conquistar pessoas capazes de olhar nos meus olhos e reconhecer quando preciso de um abraço...
Ah! Na minha mochila veio também um mapa com uma matriz norteadora – UMA PAIXÃO ENLOUQUECIDA POR GENTE. E que droga é essa que me faz tão bem e tão mal?
Adoro gente! Essa é uma das poucas certezas que carrego comigo. Seus sins e seus nãos; seus sonhos e pesadelos; quem de fato são e quem querem parecer ser; o que lhes faz felizes ou tristes... Tudo me interessa!!! Tudo pra mim tem um valor... cada olhar... toda e cada história...
Passei a minha vida encantado, olhando as pessoas... me alegrei muito com suas alegrias; chorei suas dores; aprendi com seus erros e me rejubilei com seus aprendizados... Diante desse fato, um amigo muito sensível perguntou: eram os sonhos dos outros, e os seus? Kkkkkkkk... De fato, eram os sonhos de outros, mas também muito meus que sonhei acordado ama-los e, sutilmente, faze-los desejar o melhor que podiam ser...
Já avencei muito... às vezes tanto que decidi voltar e refazer de outro jeito (Deus sabe)... é como se, para cada vida, existisse um poço com água suficiente para matar a sede de toda ela e eu tenha tido sede demais e bebido toda a minha água e agora precise cavar com as mãos mais profundo, mais profundo, mais profundo... até achar lençóis mais profundos e puros... e como tenho sede!!!
Rasguei o mapa mil vezes, mas ele está tão intrínseco em mim que, por mais que os caminhos mudem, sempre encontro a razão de ser da minha alma – GENTE.
Cheguei a uma encruzilhada, tem poucos dias... e aqui estou, sentado nela, e sentindo uma dor horrível, empenhando todas as minhas energias em conter uma bomba de vida latejando dentro de mim prestes a explodir a qualquer momento, e estou com medo... e admitir-me com medo é tão bom, me faz sentir tão gente quanto a gente que amo, e passo a amar a gente em mim que sou...
Mas não sei se vou conseguir conter tudo isso aqui dentro por muito tempo.
A vida em mim está prestes a recomeçar e peço aos que me conheceram até então não se assustarem ao encontrar um outro totalmente diferente – olhem nos meus olhos e reconhecerão o mesmo que convosco tomou café e tocou um violão desafinado...
E se me encontrar, é bom saber que QUERO TUDO!!! Quero o melhor de mim e de vocês!!! E se me oferecerem coisa qualquer, receberei, mas vou fazer birra e chorar deixando bem livre o menino em mim, porque quero o melhor... Quero TUDO!!! E não vou me conformar com NADA que não seja o TUDO de todos nós...
Se sentir saudades de mim – me liguem... Se quiserem chorar - tenho um ombro e muitas lágrimas para juntar as suas quando não tiver nada pra dizer nem cantar... E se o que quiserem for sorrir – estou cuidando do meu, mas ainda sei sorrir com os olhos... e se é só pra ficar juntos – demos as mãos e fiquemos em silêncio – não há razão de entendermos tudo sempre, apenas contemplar... e se a vontade for de enlouquecer apenas – estou pronto pra fazer dancinhas ridículas pela rua, correr na chuva, dar e receber milhares de beijos nos olhos e na testa e na boca... e não se acanhe de me deixar ver o carinho que nos une sendo você igual ou oposto a mim, a genitália que temos entre as pernas é o que menos importa quando se encontram duas subjetividades...
Aos que me conheceram, não se assustem se me encontrarem outro... É que a vida em mim está prestes a começar... e eu quero TUDO, do BOM ao MELHOR... e vou chorar, reclamar e fazer birra quando não conseguir... E levarei a cabo a minha missão de ser uma das pessoas mais felizes desse mundo... Disso eu não tenho nenhuma dúvida!!!!

https://www.youtube.com/watch?v=W6uTx_iJYKs&index=3&list=RD6fd_-92-IS0




3 comentários:

Gera Souza disse...

O começo do seu texto foi avassalador, estupendo! E se você me permitir vou compartilha-lo no meu face! Fiquei emocionado até! Mas depois, me pareceu que você estava se despedindo, ou se justificando! Como se fosse se ausentar por algum motivo! Por favor, não prive de sua presença, aqueles que o amam!!
Você me transmite coisas boas!
Grande abraço, muita luz, muita paz!!!

Lais Pontes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Deserto disse...

Gera, esses textos não são meus, são nossos, do mundo inteiro, dessa alma humana universal partida, multiplicada e distribuída em cada um de nós... Quanto à partir, embora vá sempre muito longe, parto sempre de fora para dentro ou de dentro para fora nesse influxo constante...