domingo, 16 de janeiro de 2011

OLHARES XII – Quando o passado é presente

Entrei numa discussão com um amigo noutro dia... Rememorávamos amores e lembranças do passado... Aí caí na besteira de dizer que um dado amor do passado ainda era muito presente pra ele... kkkkkkkkkkkk... Mas não é que ele queimou ruim?! Eu e essa mania de me meter onde não sou chamado...

Entendo ele ter estranhado as minhas palavras porque, por nossa unidade de alma, acompanhei de perto suas emoções e decisões quando desfez as malas e desatou os nós; de certa forma, depois de acompanhar o processo, dizer que algo do passado, a tempos já sepultado, é presente, faz parecer que o chamei de mentiroso. Mas não é assim!!! Ficou para trás, eu sei!!! Mas disse pra ele e decidi elucidar aqui pra vocês num novo olhar: quando o passado é presente.

Pense comigo: fisiologicamente falando, cada novo pensamento, cada nova idéia, produz uma construção neural nova; é com base nisso que funcionam as terapias, na formação de uma construção neural positiva por sobre aquela que causava dor, e assim por diante.

Não expliquei nada?

Kkkkkkkkkkkkkkk... Desculpe-me!!! Ainda estou sob efeito da estafa... disparatado...

Mas vamos continuar...

Falávamos de passado. Entendemos passado sob a ótica do tempo cronológico apenas, e isso é mal. Arrisco-me a dizer que existem outros tantos tempos, como o pessoal, o emocional, o intelectual... cada um com seu próprio dinamismo!!!

Acho mesmo que, aqui nesse olhar, vamos levar em conta os tempos cronológico e emocional... Existiram acontecimentos num tempo passado, isso é fato, é tempo cronológico. Esses acontecimentos nos causaram emoções especificas no instante em que aconteceram e essas emoções foram registradas em nossa alma (ainda tempo cronológico, mas com um instante de inscrição de tempo emocional – aí simultâneos). Até aqui fácil de entender... mas é justamente nesse ponto que está o entrave que nos proponho olharmos mais de perto.

Lembra daquele papo de construção neural? Pois é, vamos retomá-lo aqui.

Ao recordarmos alguns acontecimentos do passado, recordamos apenas o fato, e ponto; as emoções ligadas a ele se perderam... nesse caso são apenas lembranças mesmo... um passado que ficou no passado!!! Mas quando essas lembranças trazem consigo emoções, sempre que as temos, sempre que revivemos, mesmo subjetivamente, essas emoções, estamos as atualizando como uma construção neural presente; essas emoções e os acontecimentos ou pessoas que as motivaram no passado vão sendo atualizadas e, atualizadas, trazidas de novo para a contemporaneidade das nossas emoções, se inscrevem no nosso presente.

Não sei se consegui explicar ou só complicar, mas acho importante pensar nisso. Há vezes em que achamos que deixamos algumas coisas definitivamente para trás, como amores e dores, achamos mesmo estar livres e, sem perceber, vivemos a arrastá-los e atualizá-los vezes sem fim, impedindo a nós mesmos de progredir, seguir, viver novas emoções...

Acho também importante salientar que não se pode deixar tudo para trás; algumas emoções precisam mesmo ser atualizadas, especialmente aquelas que encantam nossa alma, dão vigor e motivam a vida; especialmente aquelas que revelam o quanto fomos felizes; aquelas que nos fazem desejar viver mais e melhor; aquelas que nos motivam uma profunda gratidão a Deus e à vida.

No fundo no fundo essa é uma tarefa meio complicada; é como fazer as malas... kkkkkkkkkkk... temos um punhado de roupas mas não sabemos ao certo quais selecionar, de quais vamos precisar, não é mesmo? Às vezes levamos roupas que nem usamos e, na maioria das vezes, acabamos por sair com a impressão de ter esquecido de trazer alguma coisa (o que pode se confirmar ou não).

Não existe um manual!!! Apenas, acho importante andarmos leves, sem pesos desnecessários, deixando para trás o que não convém mais carregar e levando na nossa malinha de quinquilharias apenas essências.

Que saibamos andar leves...

Um comentário:

Mayra disse...

É interessante como julgamos correta essa ideia de andarmos leves e insistimos em carregar pesos inúteis! *(