segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Um certo brilho no olhar...

Há uns dois ou três dias atrás me encontrei, num breve, com um amigo... Ele tava diferente... Tomado de grande ansiedade e euforia, trazia um brilho diferente no olhar... Tinha pressa pois corria o risco de perder o ônibus que o levaria para ver seu “controle” com quem teria um “mato” com chocolate e tudo. Rs rs rs rs rs rs...

Não entendeu? Desculpa! Vamos lá!

CONTROLE: no dicionário da orla do canal de São Miguel – dialeto aprendido de Dona Miúda da Serrinha – alguém a quem se sente afetivamente ligado por laços de paixão, amor ou sentimentos afins.

MATO:
dialeto agregado a nós pelo aborígine Pepé aprendido em seu programa preferido “Toma lá da cá” com seu personagem predileto “Copélia” (de onde vem seu apelido abreviado “Pepé”) - significa... significa... Na verdade “prefiro não comentar”! kkkkkkkkk... Sinônimo: “lesco-lesco”.

Voltando... Meu amigo tinha todo o seu rosto, e por que não dizer toda sua existência, iluminada pelo prazer de encontrar a quem quer bem; e como numa mensagem subliminar contagiou-nos a todos...

Se eu senti inveja? Inveja? Eu? COM CERTEZA!!! Kkkkkkkkkkkk... Ando meio invejoso mesmo (desde a penúltima postagem) de tudo o que é bom!!!

Queria eu ser acometido também por um sentimento tal que me fizesse brilhar meus olhinhos tão pequenos... kkkkkkkkkkkk... mas me deparei com a ausência dele...

Conversando com Pepé (no dizer do Cobra – sabemos falar de nós), partilhando do mundo inteiro que acontece em volta e dentro de nós, chegamos ao consenso de que só vontade não une as pessoas; todos nós temos expectativas e idéias de realização diferentes... e nessa perspectiva, relações são o tocar de dois mundos que, apenas pela razão, se tocam apenas, porque a razão ressalta diferenças... só o amor pode fazer esses mundos entrarem em intersecção de forma que, sendo um (e não se pode ser em tudo), preserve-se a individualidade.

Em resumo seria algo mais ou menos assim: relações, quando motivadas por amor, são a intersecção de mundos diferentes, com noções de realização e expectativas diferentes que, juntos, encontram forças para se estimularem e alcançarem suas realizações, sem negação das individualidades.

Eita! Que coisa tão conceitual e metódica!!!
Basta amar e pronto!!! O resto vai-se aprendendo!!!
Agora sim! Ficou melhor!

Se só razão e vontade não são suficientes, então é vã minha inveja... tudo o que tenho a fazer é esperar que o amor me toque e me abençoe por sua presença. E enquanto ele não chegar, doar a outras coisas o brilho dos meus olhos: a Deus, aos meus outros amores (família, amigos, pessoas, letras, musicas) e não permitir-me nisso ser menos encantador nem encantado.

2 comentários:

Anne Araújo disse...

Que lindo!!!

Adriano disse...

Fiquei extremamente feliz por sua postagem rsrs. Eu acho que conheço essa pessoa que você está falando srsrs. Um forte abraço.